Tecnologias e mediação pedagógica na educação superior a distância

Vilma Geni Slomski, Adriana Maria Procópio de Araujo, Alessandra Silva Santana, Elionor Farah Jreige Weffort

Resumo


Este estudo investigou as percepções sobre limites e possibilidades do uso pedagógico das tecnologias na educação superior a distancia de docentes que atuam em um curso presencial de ciências contábeis. Realizou-se uma pesquisa descritiva - qualitativa, os dados foram coletados por meio de formulário online com questões “abertas” e analisados por meio da análise de conteúdo. Constatou-se que os benefícios da EaD, na visão dos docentes são “o acesso à educação superior”; a “flexibilização do tempo e do espaço”; a “autodisciplina e a autoaprendizagem do aluno”. Como pontos críticos citaram a “falta de formação para a inclusão digital do grupo de professores e alunos e a “dificuldade para promover a interação”. Como desafio citaram a “superação da ausência da relação direta aluno/professor, o “face-a-face”, típico da sala de aula; o “uso de estratégias e recursos que promovam a troca de experiências e a interação”; o “perfil do aluno”; a ”falta de maturidade” a “autodisciplina” . Conclui-se, assim, que, as mídias digitais são vistas pelos docentes ainda como instrumentos didáticos apenas, fato que dificulta uma leitura mais critica das tecnologias e a exploração de todo o potencial que possuem, principalmente como meio de expressão e de produção cultural. Palavras

Palavras-chave


Educação a distância; Mídias digitais; Formação docente; Educação contábil.

Texto completo:

PDF

Referências


Abdala, E. A. (1999). Recursos da tecnologia da informática no ensino / aprendizagem: a visão dos professores das escolas estaduais de ensino médio de Porto Alegre. Dissertação de mestrado, Faculdade de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Abreu, A. F., Gonçalves, C. M., & Pagnozzi, L. (2003). Tecnologia da Informação e Educação Corporativa: contribuições e desafios da modalidade de ensino-aprendizagem a distância no desenvolvimento de pessoas. Revista PEC, Curitiba, v.3, n.1, p.47-58.

Almeida, M. B. (2008). Tecnologia e Educação a Distância: Abordagens e Contribuições dos Ambientes Digitais e Interativos de Aprendizagem. Recuperado em 2 julho, 2013, de http://www.imed.edu.br/files/contents/9.PDF

Audy, J. L. N. (2007). Conhecimento, inovação e o novo papel das universidades. Educação Brasileira, 29(58), 31-34.

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo (3ª ed.). Lisboa, Portugal: Edições 70, 223p.

Belloni, M. L. (2002). Ensaio sobre a educação a distância no Brasil. Educação & Sociedade, 117-142.

Belloni, M. L. (2006). Educação a Distância. Campinas, Autores Associados.

Bolzan, D. P.V., & Isaia, S. M. A. (2004). In: Formação do professor do ensino superior: um processo que se aprende? . Recuperado em 11 maio, 2013, de http://coralx.ufsm.br/revce/revce/2004/02/r9.htm

Borba, M. C. (Orgs.). (2004). .Educação matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez.

Brasil. Ministerio da Educação. (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Congresso Nacional, 1996. Recuperado em 8 março de 2014, de : http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/tvescola/leis/lein9394.pdf>.

__________. ________(2011). Instituições de educação superior e cursos cadastrados. Conceito Preliminar de Cursos – Ciências Contábeis. Recuperado em 8 março de 2014 de: http://emec.mec.gov.br/emec/nova#simples. Acesso em: março, 2014.

Castells, M. (2005). A Sociedade em rede: do conhecimento à política. In: ______.; Cardoso, Gustavo. A sociedade em rede do conhecimento à acção política. Lisboa: Casa da Moeda. p.17-30.

Cornachione Junior E. B. (2004). Tecnologia da educação e cursos de ciências contábeis: modelos colaborativos virtuais. Livre Docência, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

D 'Eça, T. A. (1998). NetAprendizagem: a internet na educação. Porto, Portugal: Porto Editora.

Feldkercher, N., & Mathias, C. V. (2011). Uso das TICs na Educação Superior presencial e a distância: a visão dos professores. Revista Iberoamericana de Tecnología en Educación y Educación en Tecnología., 84-92.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. (5ª ed.) São Paulo, Brasil: Atlas.

Granito, R. A. N. (2008). Educação a Distância e Estilos de Aprendizagem: Elaboração de um protocolo de qualidade para ambientes virtuais de ensino. Dissertação mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Brasil.

Grinspun, M. P. S. Z. (1999). Educação tecnológica. In: Grinspun, M. P. S. Z. (Org.). Educação tecnológica: desafios e perspectivas. São Paulo: Cortez. p. 25-73.

Hill, M., & Hill, A. (2002). Investigação por questionário (2ª Ed.). Lisboa, Portugal: Edições Sílabo.

Kenski, V. M. (2003). Tecnologias e ensino presencial e a distância. Campinas, Brasil: Papirus.

Lames, L. C. J (2011). Docência no ensino superior: o uso das mídias digitais como estratégia pedagógica. Dissertação de mestrado, FECAP, São Paulo, Brasil.

Leite, C. L. K., Passos, M. O. A., Torres, P. L., & Alcântara, P. R. (2004). A Aprendizagem Colaborativa no Ensino Virtual. Recuperado em 16 outubro, 2013, de http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2005/anaisEvento/documentos/com/TCCI167.pdf

Lévy, P. A máquina universo: criação, cognição cultura informática. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Lopes, M. C. L. P.; Salvago, B. M.; Pistori, J.; Dorsa, A. C.; Almeida, D. T. R. (2010). Educação à distância no ensino superior: uma possibilidade concreta de inclusão social. Revista Diálogo Educativo, 10(29), 191-204.

Machado, E. A., Almeida, L. B., Cunha, C. R., Nogueira, D. R., & Cornachione Junior, E. B. (2010). Investigação empírica quanto a monitoria presencial disponibilizada no curso de Administração à Distância de uma IFES: Reflexões acerca do desempenho dos acadêmicos. Revista ASAA - Advances in Scientific and Applied Accounting, 3(3), 272-289.

Mandaji, M. (2005). Internet na Prática Educativa e Social. Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, Brasil.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2007). Metodologia científica (5ª ed). São Paulo, Brasil: Editora Atlas.

Megliorini, E.; Weffort, .E. F. J. & Holanda, V. B. Amostragem. In: Corrar, L. J., Theóphilo, C. R. (Org). Pesquisa Operacional para Decisão em Contabilidade e Administração: Contabilometria. São Paulo: Atlas, 2004, p. 19-74.

Moran, J. M. (1994). Novos caminhos do ensino à distância. Informe CEAD - Centro de Educação à Distância, SENAI., 1(5), 1-3. Recuperado em 25 março, 2013, de http://www.eca.usp.br/prof/moran/distanci.htm.

Moran, J. M. (2002). A Educação Superior no Brasil. Recuperado em 26 maio, 2013, de http://www.eca.usp.br/prof/moran/EaDsup.htm

Nogueira, D. R., & Espejo, M. M. S. B. (2010). O impacto do estilo de aprendizagem no desempenho acadêmico: um estudo empírico com alunos das disciplinas de contabilidade geral e gerencial na educação à distância. IV Congresso ANPCONT. Recuperado em 6 março, 2013, de http://www.anpcont.com.br/site/docs/congressoIV/03/EPC149.pdf

Nova, C., & Alves, L. (2003). Educação a Distância: Limites e Possibilidades. In: Educação à distância: uma nova concepção de aprendizado e interatividade. São Paulo, Brasil: Futura.

Oliveira, M. R. G., Mill, D., & Ribeiro, L. R. C. (2010). A Gestão da Sala de Aula Virtual e os Novos Saberes para a Docência na Modalidade de Educação a Distância. . In: Polidocência na Educação a Distância: Múltiplos Enfoques. São Carlos, Brasil: EdUFScar.

Oliveira, M. K. (1997). Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento um processo sócio-histórico. 4. ed. São Paulo: Scipione.

Palloff, R. M., & Pratt, K. (2005). Online Learning Communities Revisited. Recuperado em 8 setembro, 2013, de http://www.uwex.edu/disted/conference/resource_library/proceedings/05_1801.pdf

Penterich, E. (2009). Competências Organizacionais para a Oferta da Educação a Distância no Ensino Superior: Um estudo descritivo-exploratório de IES Brasileiras Credenciadas pelo MEC. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Administração, Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Pimenta, S. G., & Anastasiou, L. das G. C. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez Editora, 2002.

Pretti, O. (1996). Educação a distância: uma prática educativa mediadora e mediatizada. In Educação a distância: inícios e indícios de um percurso. Cuiabá, Brasil: EDUFMT/NEAD. Recuperado em 11 maio, 2013, de http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:E1_ZwEVes7YJ:ftp://ftp.cefetes.br/Cursos/EnsinoMedio/InformaticaBasica/Helaine/PROEJA%2520-%2520EAD/PROEJA%2520com%2520refer%C3%AAncias/EAD-%2520um

Reis, J. B. A. (2009). O conceito de tecnologia e tecnologia educacional para alunos do ensino médio e superior. In Congresso Leitura do Brasil 17. Campinas, Brasil: Anais Eletrônicos. Recuperado em 5 maio, 2013, de http://www.alb.com.br/anais17/txtcompletos/sem16/COLE_932.pdf>.

Romani, L. A. (2000). InterMap: ferramenta para visualização da interação em ambientes de educação a distância na Web. Campinas, Brasil: Instituto de Computação, Universidade Estadual de Campinas.

Santaella, L. (1996). Cultura das mídias (p. 23). São Paulo, Brasil: Experimento.

Santinello, J. (2007). Pressupostos teóricos da educação a Distância no Brasil. Recuperado em 8 setembro, 2013, de http://www.aunirede.org.br/portal/Arquivos/Informe/Artigos/Pressupostos_teoricos_da_EAD.pdf

Slomski, V. G. (2007). Saberes e competências do professor universitário: Contribuições para o estudo da prática pedagógica do Professor de ciências contábeis do Brasil. RCO – Revista de Contabilidade e Organizações - FEARP/USP,1(1), 87-103.

Vigotsky, L. S. (1987). Pensamento e Linguagem. São Paulo, Martins Fontes.

Werthein, J., & Cunha, C. (2005). Fundamentos da nova educação. Cadernos UNESCO (Vol. 5). Brasília, Brasil: Série Educação. Recuperado em 17 outubro, 2013, de http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001297/129766por.pdf.




DOI: http://dx.doi.org/10.4301/S1807-17752016000100007